Segunda, Outubro 23, 2017

Bibliotecas na rede

Há quem pense em bibliotecas e as imagine sempre iguais, silenciosas, distantes, com funcionários nada simpáticos...  Mas a verdade é que as bibliotecas são de suma importância para qualquer sociedade e para todo o processo educacional. Os bibliotecários são profissionais da informação e sabem como organizar cada coisa no seu devido lugar, como classificar cada assunto e como recuperar arquivos e materiais. Por trás de cada biblioteca virtual ou digital também existe uma equipe de bibliotecários trabalhando para que os seus usuários fiquem satisfeitos e realmente encontrem o que estão procurando.


Há quem pense em bibliotecas e as imagine sempre iguais, silenciosas, distantes, com funcionários nada simpáticos...  Mas a verdade é que as bibliotecas são de suma importância para qualquer sociedade e para todo o processo educacional. Os bibliotecários são profissionais da informação e sabem como organizar cada coisa no seu devido lugar, como classificar cada assunto e como recuperar arquivos e materiais. Por trás de cada biblioteca virtual ou digital também existe uma equipe de bibliotecários trabalhando para que os seus usuários fiquem satisfeitos e realmente encontrem o que estão procurando.

Sabemos que as bibliotecas são constituídas por coleções de materiais impressos ou manuscritos, organizados com o intuito de servir à pesquisa, ao estudo e à leitura. No entanto, com o tempo os acervos das bibliotecas passaram a incorporar também coleções de filmes, microfilmes, discos, DVDs, CDs, vídeos, estampas, mapas e outras mídias e formatos que não o impresso ou o manuscrito. Além de abrigar essas coleções, é nas bibliotecas que se encontram serviços e profissionais especialistas em tratar a informação para melhor organizá-la e torná-la de fácil acesso à sua comunidade.

As mudanças continuaram e temos hoje à nossa disposição bibliotecas virtuais e digitais. Mas não é preciso, nesse momento, entender a diferença entre o que é virtual ou digital – o que daria um novo artigo, com certeza – mas sim que hoje podemos acessar virtualmente um imenso e rico mundo de informações. Essas bibliotecas abrigadas na rede www oferecem acervo digitalizado a partir de materiais impressos, ou de materiais criados no próprio ambiente virtual. Podemos ler Dom Casmurro, de Machado de Assis em uma versão digitalizada ou podemos ler um novo artigo produzido por um escritor a partir de seu blog. Podemos enviar uma pergunta à biblioteca por meio de um formulário em um link “Fale conosco” e descobrir onde é possível encontrar material sobre o nome da rua onde você mora; podemos encontrar uma lista de links de sites de dicionários, tradutores ou bases de dados de bibliotecas de diferentes universidades, públicas, privadas e até mesmo estrangeiras.

Apesar do acesso à internet no Brasil, e principalmente à internet banda larga de qualidade, ainda não ser igualmente e largamente distribuído, já existem milhões de brasileiros conectados que se beneficiam do acesso às informações, cursos, publicações, vídeos e sites de redes sociais e de entretenimento, tanto para uso pessoal quanto profissional. Felizmente, já existem investimentos do Governo Federal que pretendem ampliar e baratear o acesso à rede por meio da banda larga.

As bibliotecas virtuais não surgiram para eliminar as bibliotecas físicas. Seria um enorme erro pensar dessa forma. Há quem escute discos de vinis, CDs, DVDs ou Blu-ray Discs de cantores e bandas, há que ouça o rádio ou o MP3, mas todos de alguma “forma” estão ouvindo música. As bibliotecas virtuais estão aí para somar, apresentam um novo formato que pode ser útil em diversos momentos e melhor adequado para situações específicas. Uma tecnologia não substitui a outra.

Mudanças não surgem do nada, são consequências de pequenas necessidades, alterações de comportamentos, as novas tecnologias e a Web 2.0 promoveram mudanças na sociedade da informação, obrigando as unidades informacionais a adaptarem os seus serviços e os recursos humanos às novas necessidades de públicos variados. A partir desses fenômenos comunicacionais, as bibliotecas e escolas podem desenvolver estratégias de disseminação e troca da informação por meio do cenário digital que comporta diversidade de mídias, de sentidos, amplitude na comunicação, quebra das barreiras geográficas, possibilidade de maior sociabilização a partir dos mais variados interesses: pessoais, profissionais e educacionais.

Da mesma forma que se tem pesquisado mudanças no processo de ensino-aprendizagem (como se pode ler nesse outro artigo) também os processos de produção, armazenamento e compartilhamento da informação sofreram modificações que refletem a manifestação de diferentes demandas.

Lembremos o que disse o bibliotecário Ranganathan “A biblioteca é um organismo em crescimento”, ou seja, as bibliotecas são organismos vivos tanto quanto os indivíduos e grupos que as utilizam e que são a razão para existirem.

Para quem as bibliotecas existem? Para todos aqueles que buscam informações. Colocar uma biblioteca locada em um espaço virtual é ampliar seu uso e somar às unidades físicas, intensificando sua presença viva e importância para qualquer comunidade.

Que tal agora dar uma olhadinha nas bibliotecas mais bonitas do mundo? Clique aqui!

{jcomments on}

AVA e-Professor

Assine nossa News

www.eprofessor.com.br

Clique aqui e selecione um banner com link para o eprofessor para colar em seu site ou blog.