Sábado, Dezembro 16, 2017

Bibliotecas digitais ou virtuais?

Bibliotecas sem paredes
É muito comum encontrarmos bibliotecas na web que recebem a designação “digital” ou “virtual”, mas o que é um e o que é o outro? Você saberia dizer a diferença?
As bibliotecas digitais surgiram a partir do desenvolvimento das tecnologias e das comunicações e da grande demanda por mais autonomia, mais acesso, mais praticidade, mais credibilidade e referências confiáveis dentre o volume imensurável de informações disponíveis na web. Podemos dizer que este novo paradigma a princípio surgiu para facilitar o uso e acesso à informação, garantindo assim uma sociedade mais informada e autônoma. Conhecida também como biblioteca eletrônica, uma biblioteca na rede torna-se uma fonte de armazenamento digital e uma importante disseminadora de informação.

Mas como tudo se desenrolou até chegarmos aos formatos atuais?
 
O autor do artigo “Bibliotecas digitais e suas utopias”, Luiz Fernando Sayão, diz que as primeiras ideias de se desenvolver repositórios universais do conhecimento vieram com a microfotografia, “entretanto, essas ideias permaneceram somente no campo da abstração e só puderam se materializar (ou se (virtualizar?) nos dias de hoje...”. Basicamente para que exista a biblioteca digital, é necessário haver o material físico, ou seja, de formato impresso e/ou mídia, e pelos meios de comunicação, estes materiais são transpostos para o meio digital, nesta digitalização os materiais não podem ser modificados e são disponibilizados da mesma forma em que eles aparecem no material original.
 
Uma biblioteca digital permite o acesso remoto pelo usuário, por meio de um computador conectado a uma rede; a utilização simultânea do mesmo documento por duas ou mais pessoas; a inclusão de produtos e serviços de uma biblioteca ou centro de informação; a formação de coleções de documentos correntes onde se pode acessar a referência bibliográfica e o seu texto completo, além de poder trabalhar com diversos formatos, como som, imagem, caixas de busca, vídeos, chat, agregadores de notícias (feeds) etc. Quanto mais informação é produzida mais conteúdo uma biblioteca digital poderá agregar e servir de link para museus, bancos de dados e outras instituições públicas ou privadas.
 
No texto acima podemos perceber que ainda não temos um conceito fechado do que seria uma biblioteca digital, além disponibilizarem os conteúdos, atuam também como preservadoras da informação e da memória cultural, já que os materiais possuem vida útil, degradando-se com o passar do tempo e tornando-se ultrapassado com o avanço das tecnologias, como exemplo, temos os disquetes que hoje em dia não são mais utilizados, pois surgiram outros meios de armazenamentos, atualmente não se fabricam mais equipamentos que fazem a leitura dos mesmos, assim as informações ali contidas foram perdidas. Temos atualmente, disponível na web, um Museu de Objetos Obsoletos, onde você poderá conferir o avanço da tecnologia em ordem cronológica e observar quantos objetos ficaram no passado.
 
É importante ressaltar que as bibliotecas digitais estão se desenvolvendo conforme a cultura social de cada cidadão, e elas atuam como participantes na inclusão digital, ou seja, leva informação/conhecimento a população pelo acesso das tecnologias.
 
Mas o que é digital? “É uma forma de codificação de objetos do mundo real por meios de dígitos binários – sequência de zeros e uns (00 e 11)”. (Bibliotecas Digitais: saberes e práticas, IBICT). Uma biblioteca digital é aquela que tem como base informacional conteúdos em texto completo em formatos digitais que estão armazenados e disponíveis para acesso via rede de computadores.
 
A digitalização, portanto trata da conversão de um documento impresso, ou seja, analógico, para o formato digital. Esse processo é realizado a partir de um scanner ou câmera fotográfica digital, onde o documento analógico é convertido em sinais binários, transformando-se em um documento digital. Já o significado de “virtual”, segundo o dicionário Houaiss seria aquilo que é “é possível de ser, existir ou ocorrer em hipótese; simulado por programas de computador (realidade virtual)”. Podemos definir o virtual como sendo uma possibilidade de representação eletrônica de algo que existe de fato na realidade. Como se o virtual representasse todas as possibilidades que ela oferece. Lembrando sempre que o fato de uma biblioteca ser digital não exclui o fato de que ela pode existir fisicamente com acervo impresso também, uma coisa não exclui a outra.
 
Sayão também completa o conceito de uma biblioteca digital nos alertando que não se trata meramente de “uma coleção de objetos digitalizados, assistida por uma ferramenta de gestão de informação, torna-se tosco e já não cabe nas utopias desses inúmeros setores. A ideia de biblioteca digital como um “ambiente distribuído que integra coleções, serviços e pessoas na sustentação do ciclo de vida completo de criação, disseminação, uso e preservação de dados, informação e conhecimento” (Duguid, 1997) – conforme preconizado pelo relatório final do Santa Fé Planning Workshop on Distributed Knowledge Work Environments –, talvez esteja mais próxima do que se almeja para bibliotecas digitais agora e num futuro possível”.
 
Vamos ver o que biblioteca digital tem oferecido ou pode oferecer:
• A biblioteca pode ser também uma publicadora na web;
• Ela é uma nova estrutura para potencializar a organização e disseminação da informação;
• Ampliação dos sistemas de recuperação da informação;
• É uma base de dados;
• Facilita o acesso e torna-se mais um recurso de inclusão digital;
• Trata-se de um recurso recente e lida com ameaças em relação à autopublicação;
• Para os grupos editoriais constitui-se como um novo mercado;
• Amplia relação entre professores e estudantes;
• Para os arquivistas é um recurso de preservação de materiais, por meio da digitalização, com ressalva aos problemas de integridade e confiabilidade.
 
Um dos principais problemas que os bibliotecários encontram ao trabalhar em uma biblioteca digital são os direitos autorais. Atualmente, algumas bibliotecas universitárias estão sendo processadas por disponibilizar obras sem a autorização dos autores, como é o caso da Biblioteca On-line de Michigan, nos Estados Unidos.
 
As bibliotecas digitais ou eletrônicas são extensões das bibliotecas físicas, e que demandam de profissionais bibliotecários e da área de tecnologia da informação para estruturá-las. Os bibliotecários precisam atuar em prol do usuário com a mesma intenção e objetivos que um bibliotecário teria ao trabalhar em uma biblioteca física.
 
As possibilidades de acesso e disseminação das informações aumentam em uma biblioteca digital, no entanto, muitas pessoas ainda não possuem contato com o mundo da web. Um acervo digital serve a grupos específicos representado em sua maioria por estudantes, pesquisadores e professores. A biblioteca digital tornou-se um centro de pesquisa sem limites físicos que é extremamente útil e dinâmico, oferece facilidade e diversidade de material para estudo.
Referente à definição e atributos de uma biblioteca digital em contrapartida às bibliotecas virtuais ainda não podemos considerá-la como uma questão concluída devido ao fato do formato dessas novas “instituições” eletrônicas ser muito recente. Podemos concluir que as Bibliotecas Digitais surgiram como uma forma de agilizar, facilitar e democratizar o acesso a informação, sendo utilizada também como meio de preservação da informação e com grandes possibilidades de expansão.
 

AVA e-Professor

Assine nossa News

www.eprofessor.com.br

Clique aqui e selecione um banner com link para o eprofessor para colar em seu site ou blog.